Home Anti-fraude Fraude no processo de onboarding: os 5 erros mais comuns e como evitá-los

Fraude no processo de onboarding: os 5 erros mais comuns e como evitá-los

by Mariana González
fraude

Evitar fraudes de identidade e a entrada de pessoas não-idôneas na sua base de clientes são alguns dos cuidados mais importantes para a saúde e o sucesso do seu negócio. Nesse sentido, alguns erros recorrentes podem estar atrapalhando as estratégias antifraude da empresa.

As táticas e tecnologias utilizadas pelos fraudadores não param de avançar, fazendo com que seja preciso investir na inovação para ficar à frente deles. Entretanto, isso não pode ocorrer em detrimento da experiência do usuário, que exige um processo de onboarding ágil e eficaz.

O desafio, portanto, é proteger-se contra a fraude sem prejudicar os usuários idôneos. Saiba quais são os erros mais comuns que você deve evitar na busca por esse objetivo.

1. Depender somente do trabalho manual

Comparar uma foto tirada na hora com a imagem do documento do usuário, um procedimento básico em um processo de onboarding, não pode ficar apenas em mãos humanas. Para não correr riscos de acontecerem erros no reconhecimento facial, é fundamental automatizar essa demanda.

Hoje, as tecnologias de machine learning permitem níveis altíssimos de acurácia, já que os algoritmos conseguem determinar com mais exatidão — e rapidez — se duas fotos são ou não da mesma pessoa. Além disso, graças ao machine learning, os algoritmos aprendem a cada nova verificação facial, fazendo com que os resultados melhorem cada vez mais.

2. Utilizar tecnologias ultrapassadas

Na introdução, falamos sobre como o avanço das tecnologias usadas pelos fraudadores é um desafio para as empresas de hoje. Nesse contexto, utilizar recursos ultrapassados é um caminho certo para a fraude.

Investimentos em tecnologia são responsáveis por boa parte do orçamento de um negócio, mas esse valor pode mostrar-se um desperdício caso essas tecnologias não estejam realmente funcionando e trazendo os resultados esperados e necessários.

Portanto, certifique-se de que seus fornecedores e parceiros estão atualizados com o que está acontecendo no mercado e que utilizam recursos e equipamentos inovadores e eficazes para ajudá-lo a combater e prevenir fraudadores.

3. Presumir que você sabe como será fraudado

As fraudes acontecem em níveis muito mais sofisticados do que muitas pessoas pensam. Um roubo de identidade, por exemplo, pode ser apenas o pontapé inicial para a criação de um usuário “fantasma” com um histórico impecável e que, portanto, seria aprovado sem problemas em muitos serviços.

Sendo assim, presumir que é possível antecipar todas as formas de fraude a que sua empresa pode estar sujeita é um equívoco. Para que sua empresa possa ser protegida desse tipo de situação, além de manter-se atualizado ao que está acontecendo no mercado, é fundamental avaliar a fundo quaisquer pontos fracos ou vulneráveis da organização.

4. Rejeitar usuários cedo demais

Na tentativa de diminuir o número de fraudes, muitas empresas escolhem tomar o caminho mais fácil e acabam rejeitando cedo demais usuários que, na verdade, são legítimos. Assim, deixam de conquistar clientes idôneos e que efetivamente contribuiriam para o crescimento do negócio.

Em vez de rejeitar usuários diante do primeiro problema em sua verificação de identidade, você pode apenas adicionar uma etapa de validação de documentos — o que, de acordo com dados da Onfido, pode aumentar em até 40% o seu índice de novos clientes. Além disso, a medida também resulta em um onboarding mais seguro.

5. Não treinar e não conscientizar seus colaboradores

Mesmo contando com as tecnologias, empresas parceiras e processos mais adequados para as suas estratégias antifraude e de onboarding, o trabalho de cada colaborador permanece fundamental.

Portanto, é muito importante que a sua equipe compreenda a importância desses cuidados, o impacto de possíveis fraudes no negócio e a necessidade de garantir um processo de cadastro dinâmico e eficaz para usuários idôneos. Dessa forma, será possível entender melhor também o quanto o trabalho de cada funcionário influencia nesses pontos.

Outra consequência positiva de treinar e de conscientizar os colaboradores é a cultura de segurança e privacidade que isso traz para o seu negócio. Buscar soluções antifraude também significa, por exemplo, preservar os dados dos clientes e das negociações.

Além disso, a conscientização e o treinamento dos colaboradores possibilita que eles saibam identificar possíveis problemas ao longo do processo, assim como pontos vulneráveis ou de risco. Com isso, a empresa pode cada vez mais implementar uma gestão que age de forma preventiva, e não corretiva.

Como mostramos, é fundamental saber como evitar as fraudes no seu negócio sem que isso prejudique o onboarding de usuários alinhados com a empresa. Sendo assim, evitar os erros elencados aqui é um passo significativo para tanto.

Quer saber mais sobre estratégias antifraude? Então, confira também nosso post sobre como proteger sua empresa e seus clientes da fraude de identidade e entre em contato com um de nossos especialistas para conhecer melhor as soluções da idwall:

Related Posts

Loading Facebook Comments ...