Home OutrosAnti-fraude Indicadores de risco e fraude: o que são e por que acompanhar?

Indicadores de risco e fraude: o que são e por que acompanhar?

by mariliabafutto
Indicadores de risco e fraude

O número de fraudes vem crescendo consideravelmente no Brasil, conforme aponta o Indicador de Tentativas de Fraude da Serasa Experian. O ano de 2021 teve um aumento de 16,8% em relação a 2020, totalizando 4,1 milhões de operações suspeitas. Esses números chamam atenção das organizações para medidas preventivas a essas ações, como a análise e monitoramento dos indicadores de risco e fraude

Como um conjunto de mecanismos para gerenciar e prever os possíveis riscos em que uma operação está sujeita, a análise e o monitoramento dos indicadores de risco e fraude auxiliam na orientação das melhores práticas de compliance e governança corporativa e otimizando o desempenho a longo prazo dessas empresas. 

Continue a leitura para entender melhor o que são esses indicadores de risco e fraude, porque e como acompanhar esses dados

O que são os indicadores de risco e fraude?

Conforme falado acima, indicadores de risco e fraude, ou Indicadores-chave de Risco – Key Risk Indicators (KRI) do inglês- , fazem parte do ciclo de gestão de risco. Esse ciclo é dividido em 4 fases que consistem em: mapear dados do contexto interno e externo da organização e identificar os riscos, quantificar os riscos definindo indicadores – KRI -, realizar o controle e tratamento dos riscos e por fim, o monitoramento e análise.

Ou seja, podemos definir KRI ‘s como indicadores mensuráveis de atividades que podem impactar negativamente uma organização. Se tratando de indicadores de risco e fraude, são ações suspeitas que indicam a exposição de uma empresa ao risco em determinada situação e contribuem para sinalizar às organizações e prevenir crises de modo que possam mitigá-los a tempo.

Como exemplo, em instituições financeiras, todo cliente passa por um onboarding durante o cadastramento em que suas informações cadastrais são verificadas a partir de processos, como Know Your Customer (KYC), e a partir daí definidos perfis de risco na instituição ao se relacionar com determinado cliente. Avaliando desde o risco de crédito, de mercado, de fraude, de inadimplência a partir de dados como situação cadastral na Receita Federal, processos judiciais, protestos e entre outros. 

Por que acompanhar os indicadores de risco e fraude? 

Quando tratamos de indicadores de risco e fraude, na primeira fase do gerenciamento de riscos, mapeando dados do contexto interno e externo que possam vir a expor ou ameaçar a organização, não podemos ignorar os acontecimentos recentes e frequentes de crimes cibernéticos e vazamento de dados no Brasil. 

Ainda avaliando o caso de instituições financeiras, o número de fraudes contra os clientes dos bancos aumentou em 165% no primeiro semestre de 2021, ao se comparar com o mesmo período do ano anterior, de acordo com dados da FEBRABAN (Federação Brasileira de Bancos). 

Reforçando a necessidade de monitoramento de transações e das operações nessas organizações, no mesmo ano, o valor de prejuízo e de reparação de ações referentes às fraudes financeiras chegou a R$ 2,7 bilhões, segundo levantamento realizado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

Outro exemplo se tratando do segmento de e-commerces e lojas de varejo online, essas empresas enfrentam grandes desafios para garantir a idoneidade tanto de lojistas quanto de consumidores em suas plataformas. 

Isso porque se tratando de lojistas, pessoas mal intencionadas expõem em seus catálogos produtos inexistentes ou que não correspondem com as imagens e descrições divulgadas, e no caso de fraudadores que se passam por consumidores, que utilizam, por exemplo, cartões de crédito roubados para efetuar suas compras. 

Leia também: Prevenção a fraudes no varejo: 9 formas de reduzir danos ao seu negócio

Por isso, quando é possível identificar quais são as métricas que determinam indícios de risco e fraude nos processos da sua organização, a terceira e a quarta etapa do ciclo de gestão de risco, controle e tratamento de risco e o monitoramento e análise dessas ações respectivamente, permitem com que seja mais rápido e eficaz iniciar as medidas preventivas que evitem prejuízos financeiros e até mesmo morais tanto para sua instituição quanto para usuários e consumidores. 

Quais indicadores de risco e fraude acompanhar?

Dados cadastrais inconsistentes, incorretos ou incompletos

Fraudes por personificação, ou por roubo de identidade, tem se tornado comum frente aos mega vazamentos de dados pessoais que vem ocorrendo no Brasil ultimamente. Com isso, os criminosos utilizam informações sensíveis como o número de CPF ou as informações bancárias de terceiros, sem o seu consentimento, para aplicar golpes ou executar ações de compra, solicitação de serviços, etc. 

Solicitação de alteração de dados cadastrais

Outro método utilizado por fraudadores que chamam atenção em empresas é a solicitação de alteração de dados cadastrais, nas plataformas das instituições. Por meio de técnicas como phishing, roubo de dispositivos, ou malwares enviados pelos fraudadores, os mesmos realizam a alteração das informações, como a emissão de 2ª via do cartão, por exemplo, ou a solicitação de um novo cartão em um endereço fornecido pelo fraudador. 

Recentemente, os fraudadores estão utilizando a plataforma do whatsapp para aplicar golpes onde pretendem se passar por determinada empresa, geralmente e-commerces ou instituições bancárias, e solicitam a confirmação de dados cadastrais ou financeiros dessas pessoas. 

Métodos de pagamentos falsificados

Além da utilização de cartões de créditos roubados fisicamente, ou pelo roubo dos dados financeiros do usuário, muitos fraudadores utilizam dados que estão parcialmente corretos. Nessa situação, os criminosos preenchem as informações com dados fictícios, mas de pessoas que não solicitaram um cartão de crédito, por exemplo, falsificando essas informações com dados cadastrais corretos de terceiros sem o seu consentimento. 

Comportamentos e hábitos incomuns

Mapear o comportamento dos consumidores cadastrados nas suas plataformas já é uma prática comum de gerenciamento de riscos a partir do monitoramento dessas contas, independente do segmento da empresa, a partir do histórico de interações com a empresa: seja de solicitações de produtos ou serviços, operações e transações financeiras realizadas e entre outros. 

A partir disso é possível verificar sempre que alguma atividade fora do padrão daquele usuário foi realizada, como por exemplo, um pedido de quantidade exorbitante, ou então uma transação financeira de um valor muito acima do histórico de determinado usuário, por exemplo. 

O que fazer para mitigar indicadores de risco e fraude na sua empresa? 

Uma vez que os KRIs são definidos de acordo com os processos do seu negócio e a realidade da sua operação, eles precisam de monitoramento constante, e a frequência dessa análise irá variar de acordo com a intensidade de risco que o KRI representa. 

Para auxiliar no objetivo de mitigar os indicadores de risco e fraude na sua organização, a tecnologia será uma aliada desse processo:

MFA (Multi Factor Authentication)

Utilizar ferramentas e soluções que realizem a autenticação dos usuários, por meio de técnicas como MFA (Multi Factor Authentication) ou autenticação por múltiplos fatores, que adicionam mais de uma camada de verificação certificando de que o usuário é realmente quem diz ser, são ideais. 

Leia também: Palavra do Especialista | Autenticação Multifatorial: O que é e qual sua importância?

Reconhecimento Facial

Existem tecnologias que atuam diretamente nesse processo de autenticação citado acima como a de reconhecimento facial, que utilizando inteligência artificial e machine learning, identificando os padrões daquela face por biometria facial – analisando pontos específicos do rosto – e assim, pode compará-la a foto de um documento ou de uma selfie enviada previamente pelo usuário.

Background Check

Soluções de background check são utilizadas nesses processos para realizar a verificação e a validação das informações fornecidas pelos usuários, por meio de buscas e consultas em fontes públicas ou privadas, comparando os resultados encontrados com os dados cadastrais preenchidos de modo a certificar a idoneidade do usuário. 

As soluções da idwall contam com tecnologia de ponta que auxilia os processos de compliance, mitigação e gerenciamento de riscos no seu negócio e também de validação de identidade dos usuários com que a sua empresa se relaciona. Saiba mais conversando com os nossos especialistas e entenda de que forma a idwall pode ajudar a sua empresa: 

Related Posts

Loading Facebook Comments ...