Home OutrosNotícias Empresas com pior segurança têm 40 vezes mais chances de sofrer ataque de ransomware

Empresas com pior segurança têm 40 vezes mais chances de sofrer ataque de ransomware

by Gabriel Duque
ataque de ransomware

Já ouviu falar em ataque de ransomware? Esta ameaça cibernética tem crescido de forma exponencial e afetado empresas dos mais diferentes portes e segmentos de atuação, em todo o mundo.

Segundo o novo relatório RiskRecon, realizado em novembro de 2021 pela Mastercard, que examinou mais de 600 eventos de ransomware, a previsão é de um forte aumento na frequência desse tipo de violação de dados nas organizações em 2022.

O levantamento avalia os modelos de segurança cibernética das empresas, os classificando em diferentes níveis de proteção. O objetivo é medir a qualidade da gestão do risco de segurança cibernética. Obviamente, neste cenário, os negócios com as melhores práticas de gerenciamento têm taxas menores de incidentes.

No resultado geral do estudo, apenas 0,22% das mais de 137 mil corporações analisadas relataram publicamente um ataque de ransomware. No entanto, a taxa de eventos em empresas com piores índices de cibersegurança chegou a 1%.

Com base em toda a análise de risco e os ataques de ransomware mapeados, a pesquisa concluiu que empresas nas piores camadas de avaliação têm uma possibilidade combinada 40 vezes maior de sofrerem os eventos do que aquelas com melhor classificação.

Leia também: 6 ameaças à cibersegurança que o mercado financeiro deve conhecer

O que é ransomware?

Para entender melhor os riscos envolvidos no ataque de ransomware, é importante conhecer como ele funciona na prática. Trata-se de uma espécie de ‘sequestro virtual’. 

A partir de um malware enviado via e-mail ou aplicativos, os cibercriminosos conseguem invadir computadores, dispositivos e até sistemas inteiros de empresas e criptografá-los. 

Então, eles bloqueiam os usuários de usarem as máquinas e exigem um valor de resgate para devolver o acesso, restabelecendo a normalidade do sistema.

Como forma de ‘chantagem’, os invasores ameaçam expor ou divulgar os dados interceptados nos computadores e sistemas. O que poderia gerar diversos impactos negativos, como multas aplicadas pela Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), prejuízos de imagem junto a clientes e mercado, além de demais perdas financeiras para se recuperar do vazamento, reaver os dados e retomar o funcionamento.

Diante deste cenário, muitas vezes, os gestores optam por pagar a quantia estipulada, a fim de evitar todos esses problemas.

Vale destacar também que, geralmente, a exigência do pagamento é em bitcoins ou outras moedas virtuais para impedir o rastreamento dos criminosos.

Principais tipos de ransomware

A verdade é que o ataque de ransomware possui diversas versões, nomes e formatos, sendo que alguns são mais prejudiciais do que outros. 

No entanto, podemos classificar os incidentes em dois tipos principais de ransomware:

  • Locker: neste caso, o ataque impede que o usuário acesse o equipamento infectado;
  • Crypto: esta opção, por sua vez, bloqueia o acesso aos dados armazenados no equipamento infectado.

Quais os problemas causados pelo ataque de ransomware?

O ataque de ransomware se popularizou entre os cibercriminosos por ser uma maneira de obter altas quantias das empresas após invadir seus sistemas. E esse tipo de evento pode representar uma grande ameaça às organizações.

Além do aumento no número de ocorrências nos últimos anos e da tendência de ainda mais casos em 2022 como apresentado pelo RiskRecon, esse incidente tem potencial de provocar danos substanciais.

Imagine só ter seu sistema todo bloqueado pelo ataque. Qual o resultado? Em primeiro lugar, você sofreria com a interrupção do seu negócio, com seus colaboradores, fornecedores e até clientes impossibilitados de acessar seus serviços.

Este fato gera diversas consequências, a depender do segmento de atuação, como por exemplo:

  • Redução na produtividade empresarial;
  • Problemas nos processos e operações;
  • Impacto na cadeia de suprimentos;
  • Perdas de negócios;
  • Entre outros.

Ou seja, toda a continuidade de operações e da empresa fica prejudicada enquanto a situação não for resolvida. Por isso, como mostra o próprio levantamento, é fundamental investir em melhores práticas de cibersegurança para diminuir o risco de sofrer ataques de ransomware.

Como prevenir ataque de ransomware 

Para evitar o ataque de ransomware, mantendo os dados de seus colaboradores, fornecedores, clientes e demais stakeholders protegidos de vazamentos, violações e fraudes, as empresas devem implementar ações de conscientização.

Dentre essas medidas, é necessário informar a todos da empresa sobre os riscos de clicar em links, arquivos e e-mails que podem ser prejudiciais para a segurança digital. Também é importante reforçar as políticas internas e códigos de conduta, a fim de manter a privacidade e proteção dos dados pessoais e da organização.

Confira o checklist de segurança da idwall e avalie a sua segurança no meio digital.

Além disso, vale a pena investir em ferramentas para detecção e mitigação dessas ameaças. Dessa forma, é possível reduzir os riscos de ataques de ransomware em todos os momentos na sua empresa, seja desde um processo administrativo, financeiro, contábil e de RH, até durante as operações de cadastro e acesso de usuários em plataformas do seu negócio.

Para trazer mais tecnologia, segurança, prevenção contra fraudes e assegurar a confiança dos usuários na sua empresa, conte com as soluções inovadoras da idwall! Entre em contato pelo formulário abaixo e converse com um de nossos especialistas:

Related Posts

Loading Facebook Comments ...