Home OutrosIdentidade Futuro da identidade digital: o que as empresas devem ficar de olho?

Futuro da identidade digital: o que as empresas devem ficar de olho?

by mariliabafutto

A transformação digital, acelerada pela pandemia, proporcionou um aumento do fluxo de usuários online para realizar atividades rotineiras, antes feitas presencialmente, como consumir produtos e serviços, realizar transações financeiras e entre outros. Com isso, as portas foram abertas para que o futuro da identidade digital esteja cada vez mais próximo da sociedade e do mercado.

A identidade digital já se faz presente em grande parte do dia a dia das pessoas, como um sistema de identificação entre usuários, empresas e até mesmo órgãos governamentais, certificando que a pessoa é realmente quem diz ser e representando a pessoa no meio digital. 

É crescente a quantidade de usuários adeptos a identidade digital e, conforme previsão da Juniper Research em seu relatório “Digital Identity: Key Opportunities, Regulatory Landscape & Market Forecasts 2022-2026”, esse número irá aumentar em mais de 50%, de 4,2 bilhões em 2022 para 6,5 bilhões em 2026.

Em meio a tantas boas oportunidades proporcionadas pela identidade digital como a facilidade em acessar plataformas digitais ou aplicativos, a segurança em realizar operações financeiras de forma rápida, otimização do tempo com a virtualização de processos de cadastro e entre outros, surgem também oportunidades para que usuários mal-intencionados se aproveitem da tecnologia. 

É essencial que as empresas se atentem ao futuro da identidade digital, além de entenderem como inovar e se adaptar a esse cenário tecnológico e digitalizado, com sistemas de identificação digitais, mantêm a segurança das suas operações e a confiança nos clientes, fornecedores e parceiros. Continue a leitura para saber mais a respeito do futuro da identidade digital e como sua empresa pode se preparar para os próximos passos dessa tecnologia!

Identidade digital no centro das operações de negócios 

A utilização de uma identidade digital vai além das facilidades do dia a dia para usuários, vai permitir com que as organizações adaptem a forma com que executam os seus processos. Conhecer o cliente não é só uma medida de segurança das organizações, mas também, uma forma de se orientar a dados para oferecer a melhor experiência para o usuário e a melhor jornada digital possível. 

No mercado brasileiro já existe a conscientização da importância dos dados para o sucesso de uma organização, uma pesquisa realizada pela Dell, conduzido pela Forrester Consulting e chamado de Data Paradox, aponta que 73% dos diretores e tomadores de decisão acreditam que os dados são essenciais para o negócio

O estudo ainda aponta que, apesar do conhecimento acerca da importância dos dados, apenas 28% dos executivos conseguem analisar os dados da melhor forma e transformar em informações relevantes para o negócio. A identidade digital trará novas perspectivas para os negócios em todos os aspectos da empresa, acerca da melhor experiência para a persona da sua empresa, o melhor produto ou serviço para aquela determinada persona, segurança para seu negócio e como proporcionar uma boa experiência digital e fidelizar esse cliente. 

Com isso, se faz necessário que as organizações se mantenham atentas quanto ao futuro da identidade digital, inovem e abram espaço em seus processos para que a tecnologia auxilie na operação.

A confiança abrirá portas para oportunidades de negócio

Um relatório realizado pela Salesforce em 2021, Digital Trends Report, revela que 86% das pessoas querem mais transparência sobre como suas informações são usadas pelas empresas

Frente ao aumento do fluxo de usuários no meio digital, a identidade digital é o que representa as informações pessoais e dados sensíveis, de indivíduos ou empresas, no ambiente virtual. 

A confiança entre pessoas e empresas é uma grande vantagem competitiva no mercado, visto que a troca de informações pessoais se tornou algo rotineiro no relacionamento entre indivíduos e negócios. 

Os dados se tornaram valiosos para o mercado onde as empresas buscam formas de coletar essas informações, com consentimento dos usuários, não só para aprimorarem seus processos, portfólios de produtos, serviços e a experiência do usuário, mas também para ter a certeza de que o usuário é realmente quem diz ser. 

O relatório aponta ainda que nos próximos três anos, 56% dos líderes de empresas tem expectativa de que a maior parte de sua receita venha de canais digitais. Portanto, a atenção e transparência quanto ao tratamento, coleta e uso dos dados se faz essencial para os negócios que buscam prosperar online e se destacar dentre os consumidores.

Leia também: Índice de confiança no Brasil é o menor da América Latina e Caribe e afeta a economia, segundo o BID

Fraudes cada vez mais complexas 

Com o avanço da tecnologia os fraudadores e pessoas mal intencionadas enxergaram oportunidades também no ambiente digital. Em 2021 no Brasil, foram identificadas mais de 4 milhões de movimentações suspeitas por fraude, segundo a Serasa Experian. 

Ao nível mundial, o impacto financeiro causado pelas fraudes de identidade foi de US $43 bilhões em 2020 com um aumento de 41% na fraude de identidade, de acordo com o levantamento Identity Fraud Study 2022. 

Por meio de técnicas de engenharia social, os fraudadores utilizam a identidade de terceiros sem o seu consentimento para usufruir de produtos, serviços ou até mesmo benefícios governamentais se passando por essas pessoas. 

Leia também: Roubo de identidade: conheça os tipos de fraude por personificação mais comuns

Em paralelo ao promissor futuro da identidade digital, as fraudes continuarão a ser um problema, e isso impacta diretamente tanto consumidores quanto negócios. Por isso, é essencial que as empresas utilizem a tecnologia a seu favor buscando soluções sofisticadas de combate à fraude de identidade nas suas instituições. 

Regulamentações sobre identidade digital

As regulamentações estão em constante evolução quanto à privacidade e direitos do consumidor no ambiente digital. Conforme a tecnologia avança e novas oportunidades surgem para que pessoas mal intencionadas, fraudadores e golpistas prejudiquem a terceiros, as regulamentações que estão surgindo são essenciais no que diz respeito a segurança de dados e principalmente para o futuro da identidade digital.

Atualmente, mais de 60% dos países no mundo já possuem políticas voltadas à proteção dos dados pessoais. Em 2016, a União Europeia estabeleceu a eIDAS (Identificação Eletrônica, Autenticação e Serviços de Confiança) como uma forma de proporcionar um ambiente seguro para que transações digitais e negociações fossem realizadas a partir da criação de método de identificação padronizado e assinaturas digitais. 

O Brasil também faz parte desse número, a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados), por exemplo, entrou em vigência em setembro de 2020, para atuar diretamente na regulamentação e tratamento dos dados pessoais, também nos meios digitais.

Frente a digitalização de toda a sociedade, a identidade digital está sendo reconhecida e incluída por diversos países. Recentemente, o Governo Federal anunciou no Brasil, um novo RG (Registro Geral) unificado e também disponibilizado de forma digital, assim como a CNH digital que já está disponível para todos os condutores brasileiros utilizarem em toda a América do Sul. 

Leia também: Novo RG: entenda como funcionará este documento único

Ainda este ano, a Comissão Europeia também anunciou uma proposta de identidade digital para todos os cidadãos europeus, permitindo com que por meio de uma carteira digital sejam armazenados e gerenciados todos os documentos oficiais.  

Além do olhar inovador dos órgãos governamentais de todo o mundo, as empresas também precisam se atentar ao futuro da identidade digital e as novas regulamentações que surgirão. 

Para estar em compliance com as regulamentações de tratamento de dados, segurança da informação e anticorrupção as empresas podem recorrer a soluções de verificação e validação de identidade, combate à fraude e gerenciamento de riscos. Tanto para o cumprimento das legislações, como também para a segurança do seu negócio e maior confiança do cliente. 

Com essa tecnologia é possível aplicada ao processo de cadastro nas organizações, a empresa consegue verificar se o usuário é realmente quem diz ser, desde os seus dados cadastrais até a verificação biométrica do mesmo. Dessa forma, mantém os fraudadores afastados e, ao mesmo tempo, totalmente em conformidade com o compliance no seu negócio.

Facilidade e eficiência de processos manuais

Muitas empresas e instituições já utilizam a identidade digital como uma forma de inovar em seus processos de cadastro e facilitar atividades que seriam manuais, como bancos ao verificar dados em transações financeiras, universidades que permitem o acesso de seus estudantes a partir de suas identidades digitais e entre outros. 

O MeuID é a identidade digital da idwall e com ele o usuário pode armazenar todos os seus documentos oficiais como RG, CPF, CNH, em que as informações são validadas por meio de consultas em fontes públicas e privadas. 

Como uma forma de otimizar o processo de cadastro para as empresas e facilitar o acesso a produtos e serviços oferecidos, o MeuID conta com um marketplace. Empresas parceiras do MeuID, tem como benefício a exposição do seu serviço para todos os usuários da identidade digital da idwall, que não precisam fazer nenhum cadastro adicional apenas se conectarem ao serviço que melhor os atende, tudo isso de forma rápida, prática e eficiente.

Saiba mais sobre o MeuID conversando com os nossos especialistas, e também, veja como as soluções da idwall podem auxiliar o seu negócio a proporcionar processos seguros de validação de identidade: 

Related Posts

Loading Facebook Comments ...