Home OutrosMercado Financeiro Iniciador de pagamento: confira quais são os cuidados de segurança

Iniciador de pagamento: confira quais são os cuidados de segurança

by Joyce Gonçalves

As compras online já fazem parte da vida dos brasileiros, e tende a ser uma tendência que só aumenta ano após ano. De acordo com uma pesquisa da NielsenIQ|Ebit o comércio eletrônico movimentou cerca de R$182,7 bilhões no ano de 2021, e atualmente existem 87,7 milhões de consumidores online no país.

Sendo assim, são números expressivos que indicam a importância de pensar em estratégias de qualidade para manter a segurança e proporcionar facilidades ao consumidor. E trazendo novidades, o iniciador de pagamento ou iniciador de transação de pagamento (ITP) é uma opção que vai melhorar o processo de compra.

Continue acompanhando o artigo e fique por dentro de todas as novidades desse sistema financeiro.

O que é o serviço de iniciação de pagamento?

O iniciador de transação de pagamento permite que empresas do ramo financeiro ou não, façam transações financeiras de forma independente, além disso é uma maneira de facilitar ainda mais as transações que são feitas com o pix. Imagine não precisar abrir o aplicativo do banco para realizar uma transação?

Com o uso dos iniciadores de pagamento, você pode pagar suas compras diretamente no site de uma loja e fazer transferências financeiras nas redes sociais. Conhecidas como PISPs (Payment Initiation Service Providers, ou Iniciadores de Transação de Pagamentos, em português). 

Como citamos, através dessa solução, a situação financeira do país muda e outras empresas, além de bancos e fintechs vão poder iniciar a transação de pagamentos. Outro exemplo é no caso de e-commerces, a compra poderá ser paga na própria plataforma, desde que se tenha um acesso à conta no provedor. 

Criado na União Europeia em 2018, o serviço de iniciação de pagamentos surgiu a partir da Diretiva de Serviços de Pagamento Revisada (PSD2), já no Brasil, foi criada pelo Banco Central do Brasil (BC) em 2020 e regularizada através da resolução nº 118 de julho de 2021. 

O funcionamento do iniciador de pagamento será bem simples e vai funcionar da seguinte forma: o pix poderá ser feito dentro da própria plataforma de compra ou da rede social, sem precisar da cópia do QR code ou o acesso ao Banco. O redirecionamento ao app será feito apenas para confirmar a operação. 

Quais empresas terão acesso ao iniciador de pagamentos?

Para ter acesso a essa novidade, a empresa precisa atender a alguns requisitos do Banco Central e ser aprovada no Open Banking. Porém, todos os procedimentos antigos que precisam de inserção manual também poderão ser usados com o serviço de iniciação de pagamento. 

Como usar o iniciador?

Você pode usar o iniciador de pagamento em várias situações, desde pagamento de compras em lojas virtuais, envio de dinheiro por aplicativo de mensagem, pagamento pelas redes sociais, pagamento de comidas e produtos em aplicativos de delivery, aplicativos de transporte e serviços de assinaturas. 

Entenda como vai funcionar na prática

O Banco Central divulgou alguns exemplos e informações sobre o iniciador de pagamento. Podemos conferir todos os detalhes em imagens, acompanhe:

Algumas informações importantes:

  • Será necessário selecionar a instituição que você tem a conta e autorizar o compartilhamento de dados;
  • É preciso seguir as três etapas de consentimento, autenticação e confirmação que garantem a segurança do pagamento digital;
  • O iniciador de pagamentos também servirá para fazer um pagamento a uma terceira empresa;
  • O iniciador pode ter taxas por transação.

Qual será o cronograma do serviço?

O Banco Central definiu um cronograma para a implementação do serviço de iniciação de pagamento no país, assim, será possível ter tempo suficiente para fazer todos os ajustes necessários e realizar os testes previstos. 


Veja abaixo o calendário que foi definido, começando pela fase de implementação:

  • 1ª fase (30 de agosto): nessa data, todas as pessoas físicas poderão fazer transferências para outras pessoas com inserção manual dos dados;
  • 2ª fase (30 de setembro): será possível fazer compras pela internet por meio de um iniciador de pagamentos participante do Pix;
  • 3ª fase (1º de novembro): todas as transferências entre pessoas via QR Code e agendamentos de Pix serão permitidas.

É importante saber que em 30 de agosto também se inicia a 3ª fase do Open Banking, que nessa data, todas as propostas de operação de crédito e as iniciações de pagamentos serão realizadas. 

Garantir a segurança dos dados dos clientes é passo fundamental

Na idwall, você tem uma plataforma integrada com ferramentas que podem te ajudar a realizar as transações da sua empresa com segurança e com menos risco de fraudes. Além disso, a nossa ferramenta conta com mais de 250 fontes para analisar processos no TJ, consultar CPF na Receita Federal e verificar as dívidas trabalhistas. 

Com esses recursos, você pode ter mais segurança na hora de conceder créditos para as empresas, por exemplo. E se você quiser conhecer a plataforma da idwall, entre em contato, temos especialistas que podem te ajudar a identificar quais são os melhores serviços para o seu negócio!

Related Posts

Loading Facebook Comments ...