Home OutrosNotícias 34% das pequenas e médias empresas no Brasil não possuem ainda tecnologias antifraude
tecnologias antifraude

34% das pequenas e médias empresas no Brasil não possuem ainda tecnologias antifraude

by Gabriel Duque

A cada dia, surgem novas fraudes de documentos e de identidade, com criminosos se passando por usuários e clientes comuns das empresas com o objetivo de burlar a segurança e conseguir aplicar golpes financeiros. Para aumentar a prevenção contra este tipo de situação e melhorar a proteção dos negócios, é possível contar com as chamadas tecnologias antifraude. Porém, nem todas as organizações resolvem adotar essas soluções, principalmente as de pequeno e médio porte.

Segundo um levantamento da Serasa Experian, 34% das PMEs no Brasil ainda não possuem tecnologias antifraude. Isso deixa as empresas vulneráveis e correndo o risco de sofrerem com fraudes e golpes. O que pode resultar em uma série de efeitos negativos, como prejuízos financeiros, perdas de clientes, impacto na credibilidade e confiabilidade da marca.

Apesar do número preocupante de negócios desprotegidos, na verdade, este cenário representa um avanço em relação ao ano anterior. Uma vez que, agora, 31% das pequenas e médias companhias já têm soluções antifraude. Dessas, 27% começaram a usar as tecnologias no ano passado.

A pesquisa também apresenta outro dado positivo: 51% dos negócios têm interesse em contar com boas ferramentas, direcionando essa ferramenta para verificação de informações de usuários no momento de vendas.

Leia também: Custo das fraudes: 4 impactos não tão óbvios para os negócios

Aumento das fraudes

Além de trazer o cenário da aplicação das tecnologias antifraude por empresas brasileiras, o estudo também mapeou o crescimento e o impacto dessas fraudes e golpes no país. 

E, neste cenário, para 31% dos líderes e gestores, lidar com os golpes cada vez mais sofisticados é um dos principais desafios de negócios.

Entre os tipos de fraudes mais cometidos pelos criminosos e enfrentados pelas empresas, estão:

  • Roubo de identidade: 38%
  • Softwares maliciosos: 35%
  • Boletos falsos: 30%
  • Roubo de cartões: 25%

Tecnologias antifraude na diminuição dos riscos

Este contexto alarmante de fraude se reflete em todo o mundo. De acordo com o relatório Identity Fraud Report 2023, houve um aumento de 23% nas tentativas de fraude em serviços financeiros no ano de 2022, por exemplo. Além disso, 46,3% das fraudes documentais visam as carteiras de identidade.

Alguns dados também mostram que as fraudes documentais consideradas ‘fáceis’ ou menos sofisticadas tiveram uma grande expansão, passando de 53% do total em 2021, para 72,9% em 2022.

Ou seja, os fraudadores estão optando mais por atacar sistemas em massa e cometer golpes em larga escala, com repetidas tentativas de fraudes.

No entanto, com a implementação de tecnologias antifraude, é possível ver uma queda substancial nas taxas de fraude, por exemplo. 

A taxa média de fraudes de documentos foi de 5,1% em 2022. Enquanto isso, a taxa de fraude biométrica em selfie foi de 1,15% e por vídeo foi de 0,2%. Tais números reforçam o poder da biometria na detecção e prevenção das fraudes.

Mas quando investir em tecnologias antifraude?

Apesar dos dados apresentados, as pequenas e médias empresas, citadas no início do texto, ainda ficam muito receosas de investir em tecnologias antifraude devido ao custo das soluções.

Então, muitas vezes, a pergunta que fica no ar é se existe uma hora certa para implementar essas ferramentas. Não existe uma resposta ideal. Afinal, cada negócio precisa avaliar suas necessidades e prioridades.

No entanto, o fato é que, mais cedo ou mais tarde, você precisará das tecnologias antifraude.

Para se ter uma ideia, cada transação fraudulenta custa, em média, 3,68 vezes o valor da operação perdida para as empresas, conforme estudo do LexisNexis. 

Isto é, a cada golpe, a sua organização estará perdendo dinheiro e aquele ‘gasto’ para adotar uma ferramenta estará sendo desembolsado para cobrir um prejuízo que poderia ter sido evitado.

Saiba mais: Qual é o momento certo para investir em uma tecnologia de onboarding?

Custo de tecnologias antifraude x investimento

Portanto, tudo isso serve para mostrar que os gastos ou custos com as soluções na verdade são investimentos e que trarão retorno no futuro. Mas qual será o retorno e quando será o retorno? Depende de como sua operação funciona, da recorrência de transações realizadas, da frequẽncia de fraudes cometidas, entre outras questões.

Para entender melhor como funciona o retorno sobre investimento das ferramentas antifraude, preparamos este artigo aqui.

Quer ter as melhores tecnologias antifraude do mercado?

Para prevenir as fraudes, melhorar a segurança e aprimorar a verificação de identidade e de documentos nas operações de cadastro digital da sua empresa, nada melhor do que contar com as tecnologias antifraude mais destacadas do mercado.

Com a idwall, você tem acesso a uma plataforma completa e com ferramentas integradas para realizar onboarding digital, gestão de riscos, verificação de identidade e redução de fraudes. Tudo para manter o seu negócio em compliance com as normas reguladoras e ainda evitar os prejuízos financeiros.

Nossa plataforma possui as soluções de Background Check, biometria facial, OCR, documentoscopia, SDK, ID Manager e Workflow Manager, reunidas em um mesmo lugar. 

Com isso, nós conseguimos entregar estes resultados para sua empresa:

  • 1 a cada 4 pessoas (25%) são identificadas como risco ao negócio dos nossos clientes;
  • 5 a cada 100 tentativas de cadastro com realização de comparação facial são invalidadas por baixa semelhança.
  • Com Face Match e Liveness Passivo, a segurança dos fluxos de validação aumenta mais de 200%.

Quer saber mais detalhes sobre como funciona na prática a plataforma da idwall? Entre em contato com nossos especialistas agora mesmo!

Conheça todos os recursos da nossa plataforma!

Related Posts

Loading Facebook Comments ...