Home OutrosAnti-fraude Roubo de dados pessoais: 5 sinais de que o seu cliente está se passando por alguém

Roubo de dados pessoais: 5 sinais de que o seu cliente está se passando por alguém

by Gabriel Duque
roubo de dados pessoais

As fraudes seguem em crescimento constante no Brasil. Somente em fevereiro de 2022, mais de 326 mil pessoas sofreram tentativas de golpes, ou seja, uma a cada 7 segundos. O que representa uma alta de 4,9% em relação ao ano anterior, segundo o levantamento da Serasa. Entre esses casos, estão o roubo de dados pessoais e documentos para apropriação de identidade de outras pessoas.

O roubo de dados pessoais e documentos pode ocorrer por diversos meios, como por exemplo:

  • Golpes virtuais para conseguir as informações dos indivíduos;
  • Ataques cibernéticos a empresas e órgãos públicos para obter esses dados via vazamentos;
  • Furtos de documentos na rua mesmo;
  • Outras práticas fraudulentas, como tirar a foto do documento de identidade de outra pessoa.

Essas são apenas algumas opções, já que os golpistas estão cada vez mais sofisticados em busca de atingir seus objetivos. O que pode prejudicar e muito as organizações, se elas não ficarem atentas e barrarem a entrada de clientes/usuários com documentos não validados e aprovados.

Isso porque os criminosos querem fazer movimentações rápidas para alcançar dinheiro ilícito. O que pode acontecer por meio de abertura e utilização de contas bancárias, obtenção de crédito, uso de cartão de crédito, solicitações de cartões em lojas, entre outros.

Leia também: Roubo de identidade: conheça os tipos de fraude por personificação mais comuns

Como evitar que sua empresa sofra com o roubo de dados pessoais?

Como vimos acima, o foco das pessoas mal intencionadas no roubo de dados pessoais é usar as informações e os documentos de identidade de outros para se passar por eles e, assim, obter dinheiro rápido por meio de golpes que são difíceis de rastrear.

Mas o que fazer então para evitar que sua empresa e as verdadeiras pessoas e clientes não sofram com todo o impacto desse tipo de situação? 

Isso porque, além da dor de cabeça para ambos os lados, a marca ainda terá que lidar com prejuízos financeiros e perdas relacionadas à imagem, sem contar outros custos das fraudes. E o consumidor, certamente, ficará bastante irritado e insatisfeito, podendo procurar outra instituição para fazer suas compras ou negócios.

Neste contexto, fazer uma validação de identidade completa no onboarding dos usuários na sua empresa é imprescindível. Assim, você permite que apenas clientes verificados e autenticados no cadastro e abertura de conta possam usufruir dos seus produtos e serviços. O que garante que os usuários são eles mesmos e não vão fazer fraudes.

Por outro lado, neste ponto, existe uma dificuldade e um gargalo nas operações. De acordo com pesquisa da Kaspersky, 24% dos bancos, por exemplo, possuem problemas para identificar seus consumidores no momento de fornecer seus serviços online.

Outro estudo da Appgate Faces da Fraude revelou que 60% das empresas financeiras entrevistadas se consideram como “acima da média” para identificação e mitigação de fraudes. 

Apesar disso, 50% dizem que os fraudadores têm muitas informações dos clientes na palma da mão, desviando facilmente das ferramentas de controle. E 38% admitem ser difícil de acompanhar os esquemas de fraude atuais.

Portanto, o roubo de dados pessoais é um grave problema que, além de evitado, precisa ser detectado o mais rápido possível.

Principais sinais para identificar o roubo de dados pessoais e de identidade

Além de se proteger com as melhores práticas, ferramentas e tecnologias contra fraudes e promover o aumento de segurança, principalmente no onboarding digital, é importante que as empresas saibam visualizar possíveis casos de roubo de dados pessoais e de identidade.

Veja: Fraude de identidade: principais desafios e como se prevenir

Afinal, como mencionamos, os golpes evoluem constantemente. Então, vamos ver os principais sinais de que seus usuários não são eles mesmos. Ou seja, que alguém está se passando pela pessoa por ter invadido sua conta já existente, ou por ter aberto uma nova conta com a identificação de quem sofreu a fraude.

Com isso, as organizações podem identificar rapidamente essas situações e evitar que pequenos golpes se transformem em fraudes cada vez maiores, onerando mais e mais a instituição e o consumidor.

1. Alterações no limite de crédito

Se o limite de crédito do cliente é aumentado de forma substancial e anormal, é possível que o responsável pela mudança seja um ladrão de identidade, buscando efetuar grandes compras ou transações no nome do titular.

2. Atividade suspeita em compras 

Uma atividade suspeita, a partir do roubo de dados pessoais e de documentos, é a compra de produtos de alto valor em lojas virtuais. Se o cliente não tem histórico com aquele site ou plataforma ou se não está acostumado a realizar transações tão altas, a instituição financeira deve desconfiar e pode até buscar uma ação extra de validação de identidade com o consumidor.

3. Pedido de empréstimo fora do comum

Verifique a origem de pedidos de empréstimo, principalmente online. É cada vez mais fácil solicitar o crédito. No entanto, se o golpista estiver usando a identificação de outra pessoa com nome limpo para abrir sua conta e pedir a verba, o risco de aprovação de um empréstimo para alguém fraudulento é grande.

4. Movimentação financeira muito rápida

A pessoa abriu a conta no seu banco hoje e rapidamente já fez compras em três ou quatro lugares diferentes, pagou boletos, fez depósitos, entre outros… Então, sua empresa deve ter uma preocupação muito grande e bloquear este usuário o mais rápido possível antes que ele use todo o limite do cheque especial e traga mais prejuízos para seu banco.

Isso porque, muito provavelmente, este consumidor está usando a identidade de outra pessoa para se cadastrar no serviço financeiro e fazer todas essas movimentações. 

5. Ativação de plano de saúde e realização de procedimentos médicos

Além do roubo de dados pessoais usado comumente em serviços financeiros e compras, outra prática que está crescendo é da utilização no setor médico e hospitalar. 

Afinal, com as informações médias de outras pessoas, o ladrão de identidade pode usar tais registros para cometer fraudes. O golpista pode, por exemplo, realizar tratamentos e procedimentos, ou ainda solicitar reembolsos fraudulentos do plano de saúde.

Leia também: 5 formas de verificar identidade dos seus clientes com as tecnologias da idwall

O que fazer para mitigar o risco de usuários fraudulentos?

Agora, para otimizar o processo de validação de usuários, aumentar a segurança, evitar fraudes e minimizar os riscos de entrarem usuários golpistas na sua empresa, é fundamental aplicar as melhores tecnologias de verificação de clientes no onboarding. Com isso, você consegue bloquear que o roubo de dados pessoais e identidades dos seus consumidores se concretize em golpes.

Nesse sentido, para te ajudar a resolver estes desafios, conte com as soluções da idwall. Com nossas ferramentas, você pode ter acesso às ferramentas de OCR, biometria facial, background check, SDK Onboarding e documentoscopia.

Entre em contato com nosso time de especialistas e converse conosco para entender quais soluções podem ser integradas de forma personalizada para minimizar seus problemas com os riscos de fraudes.

Related Posts

Loading Facebook Comments ...